Assinar

Não ao mercado de carbono COP25

Nenhum ser vivo é beneficiado pelo mercado de créditos de carbono. Os atuais compromissos assumidos pelas Partes sob o Acordo de Paris já nos colocam no caminho do caos, e o mercado de créditos de carbono nos deixa ainda mais longe do nosso objetivo central: Manter o planeta no limite de 1,5 graus. 

 

 

Seja um Defensor do Clima


COP25: MANTENHA OS MERCADOS DE CARBONO FORA DO RULEBOOK DE PARIS!
 
Nós, abaixo-assinados, escrevemos para exigir que os mercados de carbono sejam mantidos fora do Livro de Regras de Paris. Dizemos NÃO a uma resolução sobre os mercados de carbono na COP25.

Em nossa atual taxa global de emissões, provavelmente excederemos um orçamento de 1,5 grau de carbono antes de 2025. Segundo a ciência, simplesmente não temos espaço na atmosfera para mais carbono, devemos exigir que os países ricos parem de se esquivar de suas responsabilidades históricas e ajude a reduzir drasticamente as emissões em sua fonte agora. Os atuais compromissos assumidos pelas Partes sob o Acordo de Paris já nos colocam no caminho de um desastroso aquecimento de 3 a 5 graus.
 
As regras internacionais para os mercados de carbono serão um item-chave na mesa de negociações de Madri e, nos termos do Artigo 6, podemos ver que os mercados de carbono se tornarão parte do livro de regras de Paris este ano. Isso nos prenderia a ainda mais emissões, aumento da temperatura, uso contínuo de combustíveis fósseis e décadas de inação, distração e tomada de poder corporativo.
 
Uma resolução sobre o Artigo 6 enfraqueceria ainda mais os planos nacionais (já fracos) dos países ricos e daria a esses governos a carta branca para continuar poluindo. Isso, por sua vez, sobrecarregaria os países em desenvolvimento a implementar atividades de compensação e revogaria seu direito a uma parcela justa do espaço atmosférico - para usar o orçamento de carbono restante para atender às necessidades básicas das pessoas.
 
Os mercados de carbono não funcionam. Os esquemas de cap and trade falharam em reduzir as emissões ou realizar ações climáticas reais. Sob os esquemas do mercado de carbono, as emissões globais continuaram aumentando. Falhas e brechas intrínsecas as tornam impraticáveis. A compensação exige suposições cientificamente dúbias: misturar créditos de diferentes esquemas de compensação significa que as compensações de carbono de diferentes fontes são contadas como 'iguais'. A queima de carbono de combustíveis fósseis em uma parte do mundo não pode ser 'equilibrada' compensando o carbono dos ciclos naturais de carbono terrestre - não é assim que os ecossistemas funcionam.
 
Provou-se quase impossível rastrear se projetos de compensação realmente ocorreram e quanto carbono foi realmente compensado. Além disso, a compensação conta emissões hipotéticas: "o que teria sido emitido se essa atividade não tivesse ocorrido". Essa abordagem incentivou a trapaça - por exemplo, prever de forma fraudulenta ou produzir mais poluição inicialmente, para que créditos extras possam ser acumulados quando a poluição for reduzida. A contabilidade criativa pode fazer as coisas parecerem boas no papel, mas não podemos negociar com a ciência. Em vez de reduzir as emissões, o comércio de carbono aumenta as emissões.
 
Além do aumento das emissões, o legado dos esquemas de compensação de carbono até agora inclui conflitos, abuso corporativo, realocação forçada e ameaças de genocídio cultural, particularmente para povos indígenas, pequenos agricultores, moradores de florestas, jovens, mulheres e pessoas de cor. Os esquemas de compensação de carbono são responsáveis ​​pelas atrocidades infligidas às populações vulneráveis ​​em todo o mundo, e as rejeitamos como uma forma de colonialismo climático.
 
Se uma resolução sobre o Artigo 6 for aprovada em dezembro, há um risco real de que os mercados de carbono possam se tornar uma parte significativa dos esforços de um país para implementar seu NDC. Isso significaria muitos governos entregando o controle de grande parte de sua política climática nacional aos mercados de carbono liderados por empresas. A captura corporativa de nossas instituições democráticas de tomada de decisão (como nossos governos e a UNFCCC) marginaliza soluções credíveis e lideradas por pessoas em favor de interesses corporativos devastadores do planeta.
 
Isso é inaceitável. Exigimos que os países ricos parem de se esquivar de suas responsabilidades e que todas as Partes se comprometam com sua parcela justa do esforço climático. Exigimos soluções que proporcionem reduções de emissões na fonte e nos levem a um mundo mais justo e eqüitativo. Exigimos financiamento público real e adicional dos países ricos, para que os países em desenvolvimento possam fazer a transição para sistemas justos de energia, adaptar-se aos impactos climáticos e compensar perdas e danos irreparáveis.
 
NÃO aos mercados de carbono! NÃO a soluções falsas e distrações perigosas! NÃO ao colonialismo climático! NÃO ao poder corporativo e à impunidade! COP25: Ação real e equitativa agora!
 

Seja um Defensor do Clima

Acredito que para conter as mudanças climáticas, o mercado de carbono não deve existir. Por isso assino aqui:

Olá !

Guardamos as suas informações de contato da última vez que você esteve por aqui. Por favor, clique no botão abaixo para continuar.

Não é ? Log out

Ao tomar essa ação, você está concordando com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Você pode cancelar sua inscrição quando quiser.

Ao tomar essa ação, você está concordando com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade. Você pode cancelar sua inscrição quando quiser.